LA debate até onde se pode ir para dar segurança às crianças no parquinho

Vias expressas elevadas, baixo adensamento, pouquíssimas edificações verticais, áreas de estacionamentos enormes, distâncias desproporcionais para acessar qualquer serviço. Los Angeles é uma cidade feita para quem tem carro, mas até lá existe a intenção de mudar isso. A prefeitura atual investe na expansão do metrô (sua rede já é maior que a de qualquer cidade brasileira), luta por verticalizar os prédios e anunciou a criação de mini-parques nos bairros. Mas essa última ideia enfrenta um obstáculo: um projeto de lei para dar mais segurança às crianças.

O vereador democrata Mitch O’Farrell apresentou um projeto que proíbe que adultos desacompanhados de crianças fiquem em torno da área de playgrounds nos parques públicos de Los Angeles. A proposta surgiu como medida para evitar a atuação de traficantes que oferecem drogas a menores, mas também visa inibir a ação de pedófilos.

Há um princípio polêmico no texto, pois ele indiretamente pressupõe que todo adulto sozinho é um traficante ou pedófilo em potencial, afetando direitos básicos como o de ir e vir e a presunção de inocência. No entanto, essa lei já é aplicada em várias cidades norte-americanas conhecidas pelo uso de áreas públicas por parte da população, como Nova York, São Francisco, Santa Mônica (região metropolitana de LA) e Miami Beach. Ou seja, há base legal para adotar essa medida e parte da opinião pública apoiará qualquer ação que tenha como pano de fundo o combate ao tráfico de drogas ou à pedofilia.

No entanto, muitos angelinos estão contestando a ideia. Em uma cidade com poucos espaços públicos, é comum que adultos acabem usando parte da infraestrutura de playgrounds. Isso vale desde pessoas que querem apenas usar o banco para sentar enquanto comem algo (fazer uma refeição enquanto vai de um lugar a outro é uma tradição cultural nas grandes cidades dos EUA) até para quem está fazendo um exercício, por exemplo, usando a estrutura dos brinquedos como apoio para o alongamento antes ou depois de uma corrida.

Outro problema é que o projeto de mini-parques da prefeitura prevê que vários deles tenham área de recreação infantil. Se adultos desacompanhados não puderem ficar ao redor de um playground, eles praticamente estariam proibidos de circular nesses novos espaços.

Os críticos do projeto de O’Farrell argumentam que as leis já existentes deveriam dar conta do combate ao tráfico de drogas e à pedofilia. Se houver um policial perto de cada playground para agir diante da presença de um adulto desacompanhado, ele também pode ser acionado se um adulto estiver oferecendo algo, tirando fotos ou conversando de forma suspeita com uma criança. Além disso, pedófilos já condenados muitas vezes não podem circular próximo a áreas com grande concentração de crianças, como parques e escolas públicas.

O debate deve seguir, mas o departamento de recreação e parques de Los Angeles apoia o projeto de lei. Assim, é provável que ele passe, mas sua regulamentação talvez preveja situações que evitem uma autossabotagem no processo de levar os angelinos aos espaços públicos.

A foto acima é de Rob Ford (à direita), ex-prefeito de Toronto, brincando de gangorra com seu irmão Doug Ford Jr.

O maior golpe fracassado de Istambul começou como briga de torcidas

O Exército tentou, mas a sociedade foi mais forte. Parte das Forças Armadas quis aproveitar a ausência física do presidente Recep Erdogan para tomar o poder na Turquia. A reação contra a ofensiva militar foi imediata, com a população, o presidente que voltou às pressas e até parte da oposição se unindo para evitar uma troca de comando à força no país. Golpes de estados são comuns no país, já ocorreram em 1960, 1971, 1980, 1993 e 1997. Uma tentativa fracassada é mais rara, mas uma delas mudou a história: as Revoltas de Nika.

É preciso voltar bastante no tempo, uma época em que o centro de comando não era Ancara, a Turquia não existia como nação, sua maior cidade não se chamava Istambul e sua população nem era muçulmana, tampouco tinha origem étnica na Ásia Central. A região em torno do estreito de Bósforo era dominada pelo Império Romano do Oriente, divisão política criada quando Roma começou a perder força como centro dessa civilização, também conhecido como Bizantino. A capital era Constantinopla, atual Istambul.

FACEBOOK: Curta a página do Outra Cidade

Uma das atividades mais populares na metrópole era a corrida de bigas. Mais que disputas de velocidade, eram competições ferozes. Os concorrentes se atacavam, acidentes fatais eram comuns e os grandes campeões se tornavam milionários. Apesar da glória dos principais condutores, tratava-se de um esporte coletivo: os torneios tinham as equipes vermelha, verde, azul e branca, cada uma com uma torcida fanática por trás.

Ilustração de corrida de bigas no hipódromo de Constantinopla
Ilustração de corrida de bigas no hipódromo de Constantinopla

No início do século 6º, a disputa estava mais polarizada em Constantinopla. Os verdes haviam incorporado o time vermelho, enquanto que os azuis absorveram os brancos. Assim, a rivalidade se tornou enorme, possivelmente ganhando tons políticos, com os azuis se identificando mais com a elite e uma leitura mais ortodoxa do Cristianismo, enquanto a torcida verde representava os cidadãos comuns e defendia uma versão mais progressista da religião. Em 501, 3 mil torcedores verdes foram mortos em uma emboscada dos azuis. Anos depois, os verdes se vingaram com uma grande vitória de Porfírio, condutor que defendia os azuis, mas trocou de lado.

As duas torcidas só concordavam quando o assunto era o governo de Justiniano I. O imperador empreendeu grandes e vitoriosas campanhas militares de expansão territorial, mas isso veio a um custo. Ele teve de aumentar agressivamente os impostos para poder financiar o exército, causando descontentamento de toda a sociedade em Constantinopla. Em 532, um novo pacote de taxas atingiu até a elite, que vinha sendo poupada até então.

Em 10 de janeiro daquele ano, uma corrida terminou em nova confusão entre verdes e azuis. As autoridades entraram em ação e prenderam sete líderes de torcidas. Todos seriam executados, mas dois (um verde e um azul) acabaram sobrevivendo porque o suporte da forca quebrou. Imediatamente, membros das duas facções se dirigiram ao hipódromo – localizado estrategicamente ao lado do palácio, para que Justiniano pudesse ver as corridas e torcer pelo seu time, o azul, sem sair de casa – para pedir clemência aos dois.

Retrato de Justiniano I em mosaico na Basílica de São Vital, em Ravena (Itália)
Retrato de Justiniano I em mosaico na Basílica de São Vital, em Ravena (Itália)

O imperador se negou. As duas torcidas se uniram e começaram a gritar “nika” (vencer) em direção ao palácio. Os protestos se seguiram, vários edifícios foram incendiados – inclusive Hagia Sofia, então basílica da igreja cristã – até que, no quarto dia, os manifestantes decidiram derrubar Justiniano e colocar Hipácio, sobrinho do ex-imperador Anastácio I, no poder. Justiniano pensou em fugir, mas foi convencido a ficar por sua mulher, Teodora.

HISTÓRIA: Veja o momento exato em que as maiores cidades do mundo nasceram

Com a decisão de confrontar a multidão tomada, o imperador acionou seus generais Belisário e Mundo. Ambos convocaram tropas godas e trácias – sem ligação afetiva com as equipes de corridas de bigas – para contra-atacar. As forças de segurança aproveitaram que os revoltosos estavam no hipódromo para ali confiná-los e iniciar o massacre. Os registros são de cerca de 30 mil mortos, incluindo Hipácio.

Com o golpe fracassado, Justiniano I ganhou ainda mais poder. As corridas de bigas foram proibidas, a população passou a temê-lo ainda mais, a Hagia Sofia foi reconstruída e as campanhas militares se intensificaram. Quando morreu, em 565, o Império Bizantino tinha recuperado boa parte do território do Império Romano em seu auge, incluindo a Península Itália, o sul da Península Ibérica e todo o norte da África.

Império Bizantino no início do governo de Justiniano I (verde) e os territórios conquistados (roxo)
Império Bizantino no início do governo de Justiniano I (verde) e os territórios conquistados (roxo)

Como um muro asfixia Belém 2 mil anos após seu filho mais ilustre

O que é? Belém fica a apenas 10 km de Jerusalém. No entanto, é nesse espaço que está a fronteira entre Israel e a Cisjordânia. Quando o governo israelense construiu um muro separando a terra de judeus e de palestinos, criou um cenário de sufocamento econômico para a cidade em que acredita-se que Jesus tenha nascido.

A violência que mata uma cidade

Uma manjedoura, com um bebê ao centro, seus pais e alguns animais de fazenda ao redor. A imagem de um presépio é bastante conhecida e se torna particularmente recorrente na semana do Natal. Ela celebra o nascimento de Jesus, que para as religiões cristãs ocorreu na data que hoje é contada como 25 de dezembro do ano 1. A cena retratada teria ocorrido em Belém, mas, com medo de uma determinação do governador Herodes de matar todos os meninos nascidos na cidade, a família fugiu para o Egito e, depois, se instalou em Nazarém, no norte de Israel. Uma trajetória praticamente impossível hoje.

ENTÃO É NATAL: Decoração de Natal é mais do que trânsito: pode virar dinheiro

Pouco mais de 2 mil anos depois, Belém é uma cidade que agoniza. Sua economia era baseada no turismo religioso – impulsionado pelas visitas cristãs à Igreja da Natividade, construída supostamente no local em que Jesus nasceu, judaicas à Tumba de Raquel – e no fato de estar a apenas 10 km ao sul de Jerusalém. Muitos moradores de Belém dependiam da capital israelense para conseguir um emprego ou realizar negócios ou do pouco de terra cultivável na região.

Com o aumento das tensões entre árabes e israelenses, o governo de Israel decidiu erguer um muro separando seu território da Cisjordânia. Belém estava do lado palestino, e os 10 km para Jerusalém subitamente se transformaram em um mundo inteiro de distância. Trabalhar e fazer comércio se tornou inviável para a maioria. Viver da terra também, pois o muro também a separou da cidade natal de Jesus.

Palestinos tentam passar por ponto de checagem do muro em Belém para trabalhar em Jerusalém (AP Photo/Emilio Morenatti)
Palestinos tentam passar por ponto de checagem do muro em Belém para trabalhar em Jerusalém (AP Photo/Emilio Morenatti)

A comunicação com Israel ficou afunilada nos pontos de checagem do muro. É por eles que os moradores de Belém que ainda trabalham em Jerusalém precisam passar todos os dias, mas dependem da obtenção de um passe especial. Turistas têm um pouco mais de liberdade, mas muitos pacotes turísticos passaram a incluir visitas bate-volta a partir de Jerusalém. Sem pessoas se hospedando por muito tempo, hotéis, lojas e restaurantes da cidade também perderam muitos clientes.

COMO VENCER UM MURO: Nada de separar: metrópole dividida entre México e EUA quer integração

Com essa asfixia geográfica que se transformou em asfixia econômica, a cidade começou a agonizar. O desemprego passou de 50%. Milhares de cristãos se mudaram para o ocidente, reduzindo a população de Belém de quase 30 mil para 25 mil em menos de dez anos. O muro virou alvo de protestos, e hoje está cheio de grafites feitos pela população para manifestar o sonho de paz – o de que, pelo menos, o muro caia.

As Nações Unidas declararam que as partes do muro que entram em território palestino são ilegais e o Papa Francisco até rezou nele durante sua visita à Palestina em 2014, mas a quantidade de atentados terroristas caiu drasticamente em Israel e motiva a manutenção das estruturas. Enquanto isso, a cidade que ficou marcada pelo nascimento de uma das figuras mais importantes da história há cerca de 2 mil anos não consegue ver o futuro.