Antecipar feriado não visa apenas baixar a taxa de isolamento

Avenida 9 de Julho, em São Paulo (Reprodução Google Street View)

Corpus Christi mudou de 11 de junho para 20 de maio. O dia seguinte virou o Dia da Consciência Negra, originalmente em 20 de novembro. Como 22 de maio virou emenda, 23 e 24 são fins de semana e 25 de maior virou o novo feriado de 9 de julho, São Paulo criou um superferiadão de 6 dias. A meta, como outras medidas infrutíferas: aumentar a taxa de isolamento social na capital paulista.

Essa é a versão oficial, e o resultado da política é bastante contestável na questão da quarentena. No final das contas, milhares de paulistanos aproveitaram para passar o feriadão fora da cidade, congestionando rodovias e levando a movimentação nas ruas (e eventualmente o Sars-Covid-2) para o interior e o litoral.

Mas há uma pegadinha nessa medida. Ao antecipar feriado, as autoridades paulistanas não estão apenas forçando a atividade econômica a parar nesses dias. Elas estão também permitindo que, lá na frente, quando a quarentena já tiver acabado, as empresas terão menos interrupções para feriados.

Considerando que o setor empresarial tem pressionado pela reabertura da economia, um pequeno agrado não soa ruim. E certamente muita empresa prefere pagar esses feriados agora, quando o consumo está baixo, do que em julho ou novembro, quando a atividade estará maior.

Rodízio ampliado: como esperado, pior para o transporte público

Saíram os primeiros números do rodízio ampliado em São Paulo. De fato, menos carros circularam pelas ruas, 1,5 milhão de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego da capital paulista. No entanto, como esperado, mais gente teve de se apertar no transporte público: só nos ônibus foram 6,2% a mais, e houve relatos de superlotação em estações de trem e metrô.

Veja mais aqui e aqui.

Prefeitura de São Paulo faz de tudo para não fazer o que precisa: bloqueio total

Bruno Covas, prefeito de São Paulo, anunciou uma mudança na regras do rodízio de veículos na cidade. Ao invés de restringir a circulação de carros com placas com dois números específicos no final de cada placa, agora a definição será por placa de final par ou ímpar (em dia ímpar, podem circular carros com placa de final ímpar). Isso vale a partir da próxima segunda (dia 11) e seria mantido até nos fins de semana. Além disso, estaria em vigor durante todo o dia, não apenas na hora do rush.

No reflexo imediato, a medida até parece fazer algum sentido. O rodízio passa a atingir 50% dos carros, ao invés dos 20%. Nisso, as autoridades paulistanas apostam que conseguiriam, enfim, aumentar o índice de pessoas que ficam em casa seguindo a quarentena.

Basta pensar um minuto a mais, porém, para perceber como a intenção pode até ser boa, mas ela provavelmente piorará as coisas. E que, no fundo, a prefeitura sabe muito bem o que precisa fazer, e não faz com medo da repercussão em alguns setores: o bloqueio total, ou lockdown.

Não adianta proibir que metade dos veículos circulem na cidade se o motivo para muitos desses deslocamentos continuam existindo. Em alguns casos, o rodízio até manterá a pessoa em casa naquele dia. Mas, em muitos casos, o indivíduo sai porque ainda está trabalhando. Alguns o fazem de carro, e terão de recorrer ao transporte público, onde se encontrarão com os milhares ou milhões que já estão em metrôs, trens e ônibus por falta de opção.

O resultado é que o transporte público tende a ficar com mais aglomerações, um cenário ainda melhor para a transmissão do novo coronavírus. Permitir que uma parcela dessas pessoas continuassem usando o carro até seria melhor. Porque, para baixar efetivamente a circulação de pessoas, as autoridades precisam atacar o motivo de muitos desses deslocamentos: o trabalho que não é essencial.

A questão é que decretar o bloqueio total desagrada parte do eleitorado e muitos empresários. Assim, as autoridades paulistas tentam encontrar soluções alternativas que têm efeito nulo, se não for negativo.