Nem Columbus vai celebrar o Dia de Colombo

Todo ano é a mesma polêmica nos Estados Unidos: é válido celebrar o Dia de Colombo? Pois bem, neste ano, nem a cidade que carrega o nome de Cristóvão Colombo parará no 8 de outubro. Columbus, capital do estado de Ohio, terá um dia útil como qualquer outro.

O Dia de Colombo (Columbus Day, em inglês) marca o aniversário da chegada da expedição espanhola capitaneada pelo navegante italiano às Américas, em 12 de outubro de 1492. No final do século 19, a data começou a ser usada pelos imigrantes italianos nos EUA para celebrar suas origens. Em 1934, um decreto do presidente Franklin Roosevelt transformou o Dia de Colombo em feriado nacional, mas desde 1971 essa celebração ocorre na segunda segunda-feira de outubro.

No entanto, não é um feriado totalmente observado. Instituições federais, bancos e alguns estabelecimentos comerciais fecham, mas muitas empresas funcionam normalmente. Um cenário que ficou ainda mais forte no final do século 20, quando parte da sociedade americana passou a se sentir desconfortável em celebrar um explorador responsável pela morte de milhares de indígenas.

Ainda que a comunidade ítalo-americana use a data para celebrar sua cultura, tem crescido os movimentos em favor de homenagear os indígenas nessa mesma época. Vários estados e cidades retiraram o Dia de Colombo de sua lista de feriados, alguns deles criando datas como Dia do Nativo-Americano ou Dia dos Povos Indígenas. 

Neste ano, foi a vez de Columbus retirar o Dia de Colombo de sua lista de feriados. A cidade anunciou que vai funcionar normalmente em 8 de outubro, e deixar o descanso para 11 de novembro, o Dia dos Veteranos.

A história do primeiro macarrão com molho de tomate de que se tem registro

“Os italianos só aprenderam a fazer massa depois de Marco Polo viajou à China, conheceu o prato e levou a receita a sua terra natal.” Não é raro ouvir essa versão para a origem do macarrão, mas é mentira. De fato, Marco Polo conheceu massa feita à base de arroz quando esteve no Oriente, mas tumbas etruscas de 400 a.C. já registram o preparo de massas na região que hoje é a Itália.

Sabendo disso, já dá para imaginar belos pratos de espaguete ou penne com molho de tomate no Império Romano, na Idade Média, na Florença renascentista. Mas… não, isso simplesmente não aconteceu. Por mais que seja impossível dissociar a cozinha italiana do molho de tomate, o ingrediente é recente de um ponto de vista histórico. Até porque, até o século 16, nenhum europeu sequer sabia que existiam tomates.

Quando estudamos a história da colonização das Américas, muito se fala de como espanhois e portugueses levaram ouro e outros metais preciosos para a Europa. Mas essa não era a única carga. Eles também carregavam vários animais e alimentos diferentes que encontraram no Novo Mundo. Em um período relativamente curto de tempo, a culinária europeia foi enriquecida com a chegada de ingredientes como tomate, batata, abacate, peru, milho, cacau, amendoim e abóbora.

Para ter uma ideia como esse fenômeno mudou o cenário nas cozinhas europeias, veja como pratos tradicionais têm como base um desses ingredientes americanos: fish & chips (Inglaterra), batata assada (Inglaterra), batata frita (Bélgica e França), polenta (Itália), batata rösti (Suíça), chocolate (Suíça, França e Bélgica), pà amb tomàquet (Catalunha) e bolo de batata (Alemanha), entre outros. 

Não se sabe exatamente quando o tomate foi levado à Europa. Versões creditam desde Cristóvão Colombo em 1493 a Hernán Cortés em 1521. A primeira parada foi a Espanha, mas o fruto estava na Itália em 1548, quando foi mencionado em uma mensagem entre dois funcionários da família Médici, de Florença.

Em princípio, os tomates eram usados de forma ornamental. Aos poucos foi incorporado ao cardápio, de diversas formas. Como molho, o registro mais antigo é do livro de receitas do chef do Rei da Espanha em 1692. Mas ainda demoraria para ele se unir a um macarrão.

O primeiro registro de uma massa italiana com molho de tomate é apenas de 1790. O chef Francesco Leonardi aproveitou sua experiência por toda a Europa – chegou a cozinhar para o Rei Luís 15, da França, e para a Imperatriz Catarina 2ª, da Rússia – para escrever uma grande obra sobre culinária. O “L’Apicio Moderno” (“apicio” era um livro de receitas do Império Romano) tem seis volumes e detalha como fazer pratos das mais diversas regiões da Itália.

No terceiro tomo está a receita do “macarrão à napolitana”, que tem como base molho de carne. No quarto volume, Leonardi aborda o “ragù de macarrão”. Ele dedica apenas duas linhas, sugerindo acrescentar o tomate à receita do macarrão à napolitana.

É assim, discreto e quase imperceptível, o primeiro registro de macarrão com molho de tomate. Claro, isso não significa que tenha sido inventado naquele momento, em 1790. Se Francesco Leonardi o incluiu em seu livro, significa que a receita já era adotada havia alguns anos em Nápoles. Ainda assim, é muito pouco tempo para uma combinação que hoje virou símbolo de uma das culinárias mais importantes do planeta.

Por que as fronteiras da Itália com a Áustria e a Suíça mudam todo ano

Divisas naturais normalmente são as preferidas de quem precisa realizar algum tipo de controle fronteiriço. E só acompanhar a linha de rios, mares, montanhas ou lagos para saber onde se separa um território do outro. Quase sempre é algo visual e intuitivo, não precisa de um GPS como no caso de uma fronteira política no meio de um território plano e seco. Mas essa lógica fica meio complicada quando o acidente geográfico começa a se mover sozinho.

É o caso do norte da Itália. Partes da fronteira com França, Suíça, Áustria e Eslovênia são definidas de acordo com o topo de determinados picos dos Alpes. No entanto, vários desses pontos são tomados por neve, e as mudanças climáticas do globo fizeram as geleiras diminuírem 50% desde 1850. Com isso, novos picos acabaram emergindo e o traçado fronteiriço se torna mais difícil de definir.

Para não haver muita discussão, o governo italiano entrou em acordo com o austríaco em 2008 e o suíço no ano seguinte para aceitarem que as fronteiras entre os países são realmente móveis. A cada ano, elas podem sofrer pequenas alterações de acordo com a linha dos picos alpinos.

Esse acordo não é necessário com a Eslovênia, pois não há geleiras móveis na região de fronteira com a Itália. No caso da fronteira franco-italiana, ainda há uma discussão por causa da posse do Mont Blanc, o ponto mais alto da Europa (se é 100% francês ou compartilhado entre os países).

Para acompanhar com precisão as alterações, foi criado um projeto para fazer um mapeamento quase em tempo real dos picos que definem a fronteira italiana. O Italian Limes instalou uma rede 25 sensores em torno de uma geleira no Monte Similaun, o mesmo onde Ötzi foi encontrado em 1991 (evento que motivou uma nova medição da fronteira na época, determinando que a múmia de 5.300 anos era italiana, não austríaca). Os aparelhos enviam dados topográficos a cada duas horas, identificado qualquer mudança na altitude local.

A ideia dos idealizadores do projeto não é criar polêmica ou mesmo forçar uma definição absoluta da fronteira entre Itália e Áustria e entre Itália e Suíça, mas mostrar como as geleiras alpinas estão diminuindo rapidamente e alertar para os efeitos da mudança climática.

Veja mais na Vice e no CityLab (ambos em inglês).

Rio precisa conquistar mais turistas, não cobrar imposto dos que já tem

Marcelo Crivella não deu detalhes, pois ainda é uma ideia embrionária, mas já mostrou a intenção de colocar na conta do turista uma parte das medidas de recuperação do caixa da cidade. O novo prefeito do Rio de Janeiro afirmou que estuda criar uma taxa de “R$ 4 ou 5” para quem se hospedar na cidade. Uma iniciativa simplista, imediatista e, principalmente, potencialmente nociva.

Esse imposto para turistas não é novidade no mundo. Ele é cobrado em cidades italianas (imposta di soggiorno) e francesas (taxe de séjour) e em estados norte-americanos (occupancy tax), por exemplo. Crivella, inclusive, usou o fato de ser cobrado “no mundo inteiro” como argumento para defender a criação de um similar carioca. Mas isso não torna a ideia mais válida ou mais adequada, simplesmente porque a realidade desses lugares é diferente.

Com 6,43 milhões de visitantes estrangeiros, o Brasil foi apenas o 43º destino turístico mais procurado no mundo em 2014 de acordo com o ranking da Organização Mundial do Turismo. O cenário melhorou em 2016, com 6,6 milhões de turistas (o que não deve resultar em uma subida considerável no ranking, diga-se), mas o turismo representa apenas 0,3% do PIB nacional, um percentual menor que o do Iraque. Isso já mostra quanto o país tem potencial para crescer nesse setor, sobretudo considerando o apelo que possui em várias áreas e à boa avaliação (não na organização, mas na hospitalidade) como anfitrião de eventos como Copa do Mundo e Jogos Olímpicos.

O Rio de Janeiro deveria se concentrar em atrair mais gente, em convencer milhares ou milhões de turistas a irem à Cidade Maravilhosa ao invés de buscarem destinos como Tailândia, México ou África do Sul (países à frente do Brasil no ranking da OMT). Esses turistas deixariam seu dinheiro no comércio, na bilheteria em atrações turísticas e, no final das contas, reforçariam o caixa da prefeitura e do governo estadual.

O problema é que isso dá trabalho. Seria necessário montar uma estratégia para elevar ainda mais o Rio como destino internacional, aumentando a promoção (propaganda) no exterior, desenvolvendo mais as atrações existentes na cidade (melhorando as que existem e criando novas) e atacando os pontos negativos do ponto de vista do turista (violência, desorganização nos serviços públicos, zika). Ao cobrar um imposto, por mais baixo que ele pareça, só se cria uma atitude antipática que pode atrapalhar na hora de um visitante escolher entre o Rio ou outro destino.

Itália, França e Estados Unidos não precisam se esforçar tanto para convencer o turista. Esses países ocupam três das cinco primeiras posições no ranking da OMT, sinal de que sua indústria do turismo já está bem estruturada e várias de suas atrações turísticas são conhecidas mundialmente. Pessoas de todos os cantos do globo têm como sonho conhecer lugares como o Coliseu, a Torre Eiffel e o Grand Canyon, comer uma legítima massa italiana, tomar um vinho francês recém-saído do barril ou tirar uma foto com o Mickey Mouse. E elas se dispõem a pagar uma taxa para cada noite dormida se for o caso.

O pior é que o tal imposto teria pouco efeito prático no caixa municipal. O Rio de Janeiro recebeu 1,9 milhão de turistas estrangeiros em 2014, segundo o Euromonitor. Se cada um pagar os tais “cinco reais” mencionados por Crivella, seriam R$ 9,5 milhões. Se a taxa for cobrada por noite dormida – como é na Itália, na França e nos EUA -, o ganho seria de R$ 113,05 milhões. Se a taxa for para todos os turistas, estrangeiros e os 7,3 milhões vindo de outras regiões do Brasil, a arrecadação seria de R$ 46 milhões para a cobrança única e R$ 259,05 milhões para a cobrança diária.

As contas acima consideram quatro dias de estadia média para o turista brasileiro e 11,9 para o estrangeiro, números levantados em pesquisa contratada pela TurisRio.

O imposto seria até justificável como atitude para resolver um problema imediato, mas ele está longe de resolver o problema de caixa da prefeitura. Os números parecem altos, sobretudo os R$ 259 milhões, mas são nanicos perto do orçamento do município (R$ 29,5 bilhões) e do gasto com dívidas (R$ 1,3 bilhão) previstos para 2017. E, se a medida em si não resolve, vale mais a pena fazer o turismo trazer dinheiro como uma atividade econômica em crescimento, e não como taxa para seus consumidores.

A ópera-bufa que retrata a Florença medieval

A Idade Média nem sempre é tratada com o cuidado que merece. Foi um período da história que durou quase mil anos e teve diversas fases dentro dela. Houve a era dos feudos, mas também testemunhou o momento de grande urbanização a partir do século 12. Um processo que alçou algumas cidades à condição de potências políticas, econômicas, militares e culturais. Foi o caso de Florença, Itália.

A ligação da capital da região da Toscana com a Idade Média se vê por todo canto, da arquitetura de seu centro histórico às obras do início da Renascença. Mas, e na música, que é o tema dessa newsletter? Bem, seguindo o caráter italiano, um bom meio é a ópera Gianni Schicchi, composta pelo toscano Giacomo Puccini em 1918 a partir de uma passagem da Divina Comédia, de Dante Alighieri.

Trata-se de uma comédia, que é retratada na Florença de 1299 e conta as tramoias da família do falecido empresário Buoso Donati para ficar com sua herança, repassada originalmente à Igreja. Schicchi é um burguês que se aproxima dos Donati por meio de sua filha, Lauretta, apaixonada por Rinuccio Donati. Duas passagens merecem destaque, até pela forma como retratam a Florença urbana da época: “Firenze è come un albero fiorito” (Florença é como uma árvore florida), que mostra como a cidade recebia pensadores e artistas de todo o cantos da Itália, e “O mio babbino caro” (Oh, caro papaizinho), em que Lauretta pede que o pai aprove seu romance e menciona vários pontos importantes da cidade até hoje (a rua Porta Rossa, Ponte Vecchio e o rio Arno).

Confira abaixo a versão de Plácido Domingo para “Firenze è come un albero fiorito” e veja a letra nesse link.

A ária mais famosa dessa ópera é “O mio babbino caro” na interpretação de Maria Callas (a letra aqui).

Texto publicado originalmente para a newsletter do Outra Cidade. Para assiná-la, clique aqui.

China diversifica mais sua pauta de exportação: agora tem até policial

Eles estão por todos os lados, normalmente andando em grupos, com máquinas fotográficas em local de rápido acesso e dispostos a gastar muito dinheiro, de souvenires descartáveis a artigos de luxo. Chineses são presença constante em regiões muito turísticas na Europa, sobretudo Itália e França, um fenômeno que já começa a causar problemas… a eles. Por isso, o governo italiano teve uma ideia inusitada: utilizar policiais chineses nas regiões de maior fluxo de turistas.

Desde esta segunda, o patrulhamento nos pontos turísticos de Roma e Milão é feito por equipes que misturam agentes italianos e chineses. Essa política será adotada até o próximo dia 13. O período é curto, mas se encaixa com a época do Dia do Trabalho, uma das temporadas em que mais se tira férias na China (as outras duas são o ano novo, em fevereiro, e a semana do Dia Nacional, em outubro, quando a tradição é reunir a família).

A missão principal dos policiais chineses é justamente ajudar esses milhares de turistas. As autoridades italianas perceberam que, por falta de informação ou de familiaridade com a cultura ocidental, muitos deles se perdiam, não sabiam como recorrer a serviços aos quais tinham direito e, principalmente, se tornavam alvos fáceis de assaltantes ou golpistas.

Para aumentar o sentido de segurança desses turistas, os agentes chineses usarão sua farda tradicional, como se estivessem em Pequim ou Xangai. A ideia faz sentido pela operação em si, mas não surpreenderá se alguns italianos se sentirem incomodados pela presença de autoridades policiais de um país estrangeiro trabalhando com fardas em suas cidades.

O convênio foi firmado em setembro de 2015. Nos últimos meses, os departamentos de polícia dos dois países trocaram informações e experiências, além de treinar os agentes que trabalhariam nessas equipes mistas. Claro, os policiais chineses que participam do programa tinham como um dos requisitos iniciais a fluência em italiano.

O impacto dessa aproximação pode ir além do turismo. Angelino Alfano, ministro do interior da Itália, já deu pistas de que a política pode se estender a outros campos. “Pode abrir uma colaboração importante entre os dois países na troca de informações na luta contra o terrorismo e o crime organizado.” O ministro da segurança pública chinês, Liao Jingrong, fez coro: “É um ponto de partida para estimular a cooperação entre os dois países no desenvolvimento econômico”.

Uma das áreas que mais interessa a Itália é o combate à fabricação de produtos falsificados, sobretudo bolsas, roupas, relógios e outros artigos de luxo.

Florença impõe cota mínima de comida local em restaurantes do centro

Turistas muitas vezes precisam de soluções práticas. Curtir a culinária do local visitado é normalmente a preferência, mas há momentos em que uma refeição rápida é a melhor alternativa. Menos em Florença. A capital da Toscana, região no centro-norte da Itália, criou uma lei para limitar a quantidade de comida forasteira oferecida no centro histórico da cidade.

A determinação da prefeitura é que qualquer estabelecimento novo na área de alimentação terá, obrigatoriamente, 70% de produtos regionais. Cada item deverá ser produzido na Toscana e ter no máximo dois intermediários entre o produtor e o consumidor. Para a definição de “produtos típicos”, é utilizado o catálogo de produtos agroalimentares tradicionais e o de certificados de denominação de origem protegida e indicação geográfica protegida. Os restaurantes e os alimentari (pequenos mercados especializados em produtos alimentares) já existentes não estarão sujeitos a essa regulação.

NO BRASIL: Onda de gastronomia representa uam boa oportunidade para Belém

De acordo com o assessor de desenvolvimento econômico da cidade, Giovanni Bettarini, o objetivo é proteger o pequeno comerciante e a cultura florentina. “Queremos que em Florença vença a qualidade. Uma escolha que estamos levando adiante em todos os setores, a partir da aprovação do regulamento para o centro histórico, ao trabalho nos mercados e no turismo”, afirmou em entrevista ao jornal La Repubblica. “Não podemos deixar que o comércio seja destruído, porque é uma parte dos valores e da identidade desta cidade.”

O representante da prefeitura deixa escapar uma ideia comum entre os italianos que só o país tem “comida boa de verdade”. Mas, cutucadas nas outras culinárias à parte, o alvo dessa medida são pequenos estabelecimentos de comida rápida que tanto agradam turistas com pouco tempo e dinheiro. Ainda que a gastronomia seja um atrativo turístico da Itália (ainda mais na Toscana, uma das regiões com mais farta produção de ingredientes de altíssima qualidade), muitos visitantes procuram opções mais práticas.

Esse tipo de comércio geralmente tem origem não-italiana, de redes internacionais de fast food a barracas de imigrantes do Oriente Médio que servem kebab (churrasco grego), algo bastante comum em cidades turísticas europeias. Por isso, medidas que obrigam a venda de ingredientes produzidos localmente e de receitas tradicionais de Florença ou da Toscana limitam diretamente a capacidade de ação desses estabelecimentos.

A estratégia dos florentinos soa exagerada, mas faz sentido dentro da relação dos italianos com sua culinária. A Itália é uma das nações que mais líderes do Slow Food (“Comida Lenta”, movimento que valoriza pratos com ingredientes orgânicos, locais, respeitando o meio ambiente e preparados de forma a valorizar o sabor) e tem quase uma compulsão por criar denominações de origem para seus ingredientes e pratos regionais. Há dez dias, a Comissão Nacional Italiana na Unesco (órgão das Nações Unidas para educação, ciência e cultura) decidiu apresentar a candidatura da pizza napolitana para se tornar um novo Patrimônio Cultural Imaterial da entidade.

De qualquer modo, a decisão de Florença não deixa de ser uma limitação ao trabalho de futuros comerciantes, e pode acabar tirando a quantidade de opções de turistas e florentinos que trabalham ou moram no centro. Além disso, por criar um modelo que incentive indiretamente os restaurantes, acaba reduzindo a quantidade de opções econômicas na cidade, que pode ganhar um rótulo de destino de alimentação mais cara.