Em que ano estamos em cada calendário usado no mundo

Feliz 2017! Mas não estamos em 5777? Ou talvez em 4713? Quem sabe não estejamos comemorando o ano 29 da era atual? Boa parte do planeta adota o calendário gregoriano de uma forma ou outra, mas o ser humano criou centenas de formas de marcar datas ao longo da história. Algumas delas foram utilizadas por séculos, e algumas ainda são empregadas oficialmente por governos ou têm uso para situações específicas.

Há padrões dos mais diversos, tanto na definição do ponto de partida para a contagem do calendário quanto na divisão do ano em dias e meses. Em alguns calendários, como o islâmico, o ano não tem 365 dias. Outros até tem, mas o padrão para anos bissextos é diferente do que usamos na maior parte do Ocidente.

Então, veja em que ano estamos em alguns dos calendários mais importantes do mundo e como eles iniciaram sua contagem:

JUDAICO

Ano: 5777
Início da contagem: um ano antes do que seria a criação do mundo

ISLÂMICO

Ano: 1438
Início da contagem: fuga de Maomé de Meca para Medina

CHINÊS

Ano: 4713 
Início da contagem: início do reinado de Huang Di, conhecido como Imperador Amarelo. Há outras contagens adotadas, a mais usada nos coloca no ano 105 (a partir do início da República da China, versão adotada em Taiwan)

ETÍOPE

Ano: 2009
Início da contagem: nascimento de Jesus, mas com base em uma datação diferente da usada no calendário gregoriano

PERSA

Ano: 1395
Início da contagem: fuga de Maomé de Meca para Medina. Como o calendário persa é solar, o ano é mais longo que o islâmico (lunar), o que explica a diferença de datas mesmo tomando o mesmo ponto de partida

JAPONÊS

Ano: 29 da Era Heisei
Início da contagem: subida ao trono do imperador Akihito (“Heisei” é o nome da era correspondente ao atual imperador)

BENGALI

Ano: 1423
Início da contagem: início do reinado de Shashanka em Gauda (reino que unificou a região do atual Bangladesh e leste da Índia)

NORTE-COREANO

Ano: 105
Início da contagem: nascimento de Kim Il-Sung, líder da Coreia do Norte

ARMÊNIO

Ano: 1465
Início da contagem: cisão entre a Igreja Apostólica Armênia e a Igreja Católica Romana

TAILANDÊS

Ano: 2560
Início da contagem: morte de Buda

ASSÍRIO

Ano: 6766
Início da contagem: fundação da cidade de Assur

BÉRBERE

Ano: 2966
Início da contagem: subida de Shoshenk I (por ter origem líbia, seria o primeiro bérbere proeminente) ao posto de Faraó do Egito

BIZANTINO

Ano: 7525
Início da contagem: data estimada para a criação do mundo (entre os calendários mais importantes, é o que nos coloca em uma contagem mais alta de ano)

COPTA

Ano: 1733
Início da contagem: subida de Diocleciano ao trono romano (um marco de martírio, pois o imperador perseguiu muitos cristãos, sobretudo no Egito)

COREANO 

Ano: 4349
Início da contagem: início do período Gojoseon (uma das eras do Reino da Coreia). O calendário foi oficial da Coreia do Sul até 1961, quando foi substituído pelo gregoriano

JULIANO

Ano: 2016
Início da contagem: nascimento de Cristo. A diferença do calendário gregoriano é de apenas 13 dias. Ou seja, o Ano Novo está chegando

A futilidade no bairro mais sofisticado de Seul

Quem vê Seul com suas ruas apinhadas de gente e arranha céus por todo lado pode ter dificuldade de imaginar como ela era há 50 anos. Destruída pela Guerra da Coreia, a capital sul-coreana foi alvo de um grande projeto de reconstrução. Em 1963, quando o país esteve sob o comando de Park Chung-hee (pai de Park Geun-hye, presidente envolvida em escândalo pelo envolvimento com uma líder mística), Seul anexou várias regiões a seu redor. Entre elas estava uma grande área ao sul do Rio Han, Gangnam.

O bairro cresceu rapidamente. De área rural na década de 1960, tornou-se o destino preferido da elite sul-coreana já nos anos 80. Rapidamente, tudo o que girava em torno do bairro era transformado em sinônimo de sofisticação, luxo ou ostentação, um conceito que ganhou o apelido de “estilo de Gangnam”. Uma expressão que virou nome da música mais conhecida do pop coreano.

VEJA MAIS: Todos os textos de nossa newsletter

Em “Gangnam Style”, o cantor Psy apresenta de forma caricata o universo de futilidade em torno da vida no bairro mais sofisticado de Seul. Da vida despreocupada de quem só pensa em sair com garotas (e em julgá-las pela aparência e comportamento na cama) até os ambientes que frequenta. Mas não dá para dizer que se trata de uma crítica. O próprio Psy foi criado em Gangnam, filho de um executivo de uma empresa de tecnologia com uma dona de restaurantes na região, e seu trabalho sempre preferiu letras irreverentes, danças malucas e um visual extravagante do que a denúncia social. Inclusive, o ícone do K-pop admitiu que seu maior sucesso é uma brincadeira com pessoas que não são de Gangnam que tentam se fazer de moradores do bairro para impressionar os outros.

De qualquer modo, o estilo exótico de Psy e do clipe fizeram Gangnam Style se transformar em um sucesso mundial no YouTube. E o estilo de vida do bairro mais rico de Seul passou a ser conhecido pelo resto do mundo.

Veja (ou reveja, pois todo mundo parece já ter visto) o clipe de Gangnam Style. Aqui tem a letra com tradução.

Nossa newsletter traz toda semana a história de alguma música que retrate uma cidade, um bairro, uma rua. Se você tem alguma sugestão para a sua cidade ou para algum lugar que você conhece (em qualquer parte do mundo), envie para redacao@outracidade.com.br e teremos o maior prazer de publicá-la. Os textos serão publicados originalmente na newsletter, toda quinta, e reproduzido no Outra Cidade no final de semana. Para assinar a newsletter, clique aqui.