Um dos desafios de quando se fala ou escreve de astronomia a não-especialistas é permitir que o ouvinte ou leitor consiga visualizar tudo aquilo que é tratado. Distância, massa, energia e dimensões muitas vezes são tão desproporcionais ao que estamos acostumados na Terra que é difícil realmente ter um parâmetro de comparação. Tanto que, para alguns casos, foram criadas unidades de medidas próprias, como UA (unidade astronômica), ano luz e parsec.

O tamanho de corpos celestes até são mais fáceis de dimensionar quando estão dentro da realidade da Terra. Ainda assim, a referência mais usada é o diâmetro e, convenhamos, o diâmetro da Terra não é um valor consagrado na cabeça das pessoas e nem sempre dá para ter uma noção clara. Por isso, o mapa acima é tão interessante.

O físico (e cartunista amador) Randall Munroe  colocou a área da superfície da Terra ao lado dos principais corpos rochosos do Sistema Solar (ou seja, nada de gigantes gasosos como Júpiter ou Saturno, até porque não se sabe nem se eles têm superfície sólida). Aí dá para ter uma noção muito boa de como Vênus é quase do tamanho da Terra, que a Lua tem área semelhante à da África, que Mercúrio é um planeta do tamanho da Eurásia e que a Europa satélite de Júpiter é bem maior que a Europa continente da Terra (mas perto da América do Norte).

Se a imagem acima não estiver tão boa, clique aqui para ver melhor.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePin on PinterestShare on Tumblr