O Leblon não é um bairro dos mais extensos, mas muitos de seus moradores nunca passaram pela rua Codajás. Compreensível. Ela é pequena e, apesar de ser oficialmente uma via pública, ficou no meio de uma área cercada por cancelas que se transformou no Jardim pernambuco, um dos condomínios mais caros do Rio de Janeiro. É uma via pacata, com clima quase de interior. Mas, há algumas décadas, era um dos pontos mais pulsantes da música brasileira.

VEJA MAIS: Todos os textos de nossa newsletter

Foi na Codajás que Dorival Caymmi se instalou no Rio para criar seus filhos Danilo e Nana. Depois, a mesma rua teve como morador Tom Jobim. E ela nunca mais foi a mesma. Tom levava para sua casa alguns dos grandes nomes da MPB na década de 1960. Várias músicas saíam desses encontros, até que a própria rua começasse a se tornar personagem. Em “Caymmi Visita Tom”, há uma discreta menção a “navio da Codajás”, referência à casa em que tantos músicos se reuniam e que parecia uma embarcação.

Mas o grande momento da pequena via do Leblon veio com a parceria de Danilo Caymmi e Ronaldo Bastos. “Codajás” foi composta para ser como a rua: pequena, discreta e cheia de vida, com balanço e sentimento e um navio. Impossível esquecer o navio, tudo girava em torno dele.

Ouça Codajás na voz de Nana Caymmi

Obs.: sugestão de pauta da leitora Sonia Palhares Marinho

Nossa newsletter traz toda semana a história de alguma música que retrate uma cidade, um bairro, uma rua. Se você tem alguma sugestão para a sua cidade ou para algum lugar que você conhece (em qualquer parte do mundo), envie para redacao@outracidade.com.br e teremos o maior prazer de publicá-la. Os textos serão publicados originalmente na newsletter, toda quinta, e reproduzido no Outra Cidade no final de semana. Para assinar a newsletter, clique aqui.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePin on PinterestShare on Tumblr