As instituições inglesas são organizadas e apegadas a sua história, e é assim há muitos anos. E talvez a maior prova disso seja uma base de dados organizada e disponibilizada pelas Universidades de Reading e Southampton. Chamada “The Soldier in Later Medieval England“, ela lista os indivíduos que serviram ao exército real entre 1369 e 1453.

Só de o registro desses militares ter sido preservado por seis séculos já é um feito impressionante – e esse registro existe porque os indivíduos eram profissionais pagos por esse serviço. Mas essa base fica ainda mais interessante se considerarmos que a Guerra dos Cem Anos, entre Inglaterra e França, ocorreu entre 1337 e 1453. Ou seja, temos os nomes de uma parcela considerável dos soltados britânicos que lutaram nesse conflito, com nome, sobrenome, título, patente, a quem era subordinado e em que período serviu. A lista conta ainda com a presença de alguns milhares de combatentes do lado francês, sobretudo os envolvidos na Batalha de Agincourt (1415).

Entre as pessoas de língua inglesa, uma das graças é ver se algum ancestral esteve na guerra. Um esforço que vale pela brincadeira, pois, considerando que o conflito se estendeu por onze gerações, virtualmente todo descendente de inglês teve algum familiar distante — bota distante nisso — envolvido nas batalhas, ainda que o sobrenome tenha se perdido ao longo do tempo.

Mas também dá para um brasileiro sem nenhuma relação familiar com a Inglaterra brincar. O nome original dos soldados dão um recorte raramente  tratado nos livros de história. Estes costumam falar dos grandes líderes políticos e das figuras mais influentes, muitas vezes com nomes modernizados. No caso da “Soldier in Later Medieval England”, podemos ver como se chamavam de verdade as pessoas comuns.

O interessante disso é perceber como o inglês era diferente. A grafia de vários sobrenomes tem diferenças que lembram um pouco as palavras de línguas célticas como o galês e o gaélico escocês. É o caso de Notyngham, Wythewyk, Elys, Thrynskewe e Wythgynuvill. Alguns desses nomes sumiram ou se tornaram extremamente raros, outros tiveram grafias modernizadas.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePin on PinterestShare on Tumblr