Quando o Brasil foi definido como sede da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016, rapidamente veio o discurso de “fazer o possível”, fazer eventos “com cara e limitações do Brasil”. Tudo isso foi esquecido, termos como “Padrão Fifa” surgiram no noticiário para argumentar que o único jeito de realizar tais competições era gastar uma fortuna.

No final, os brasileiros viram bilhões serem gastos em várias arenas esportivas superdimensionadas ou desnecessárias e pouco dinheiro para a essência, a infraestrutura que geraria o legado. Duas enormes oportunidades perdidas, que talvez jamais sejam recuperadas.

Ao menos, temos um exemplo para mostrar como tudo poderia ser feito. A Cerimônia de Abertura da Rio-2016 primou por fazer o que todo o resto evento (e a Copa também) não fez: mostrou que é possível realizar uma apresentação de alto nível, dentro dos padrões internacionais, aceitando as limitações orçamentárias óbvias de qualquer país em desenvolvimento.

A abertura olímpica carioca custou metade da londrina, quatro anos atrás. E os ingleses já haviam sido muito mais econômicos em relação a Pequim-2008. No final, o Brasil entregou um espetáculo com sua cara, tanto ao expor sua cultura quanto por aceitar suas limitações. E o resultado foi aceito por todos. Não precisávamos do “Padrão Fifa”. Precisávamos fazer as coisas do nosso jeito. Mas agora já não dá para mudar.

Texto publicado originalmente no Outra Cidade.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePin on PinterestShare on Tumblr